Original

Afasia epiléptica adquirida

R.H. Caraballo, I.I. Yépez-E., A.M. Soprano, R. Cersósimo, C. Medina-Malo, N. Fejerman DOI: https://doi.org/10.33588/rn.2910.99150 OPEN ACCESS
Volumen 29 | Número 10 | Nº de lecturas del artículo 7.400 | Nº de descargas del PDF 986 | Fecha de publicación del artículo 16/11/1999
Icono-PDF-OFF Descarga PDF Castellano Citación Buscar en PubMed
Compartir en: Facebook Twitter
Ir a otro artículo del número
RESUMEN Artículo en español English version
Objectivo. Analisar os aspectos clínicos, electroencefalográficos, terapêuticos e evolutivos em 15 doentes com diagnóstico de afasia epiléptica adquirida. Doentes e métodos. A amostra está formada por 9 homens e 6 mulheres, com uma idade média actual de 14,5 (r= 8,11-20 anos). Todos os doentes foram tratados com fármacos anti-epilépticos. Critérios de inclusão: afasia adquirida de início agudo, subagudo ou progressivo, sem sinais de défice motor ou de lesão cerebral demonstrável, e com presença de pontas bilaterais ou descargas de ponta-onda generalizadas no EEG. Realizaram-se EEG de sono e vigília, estudos neuroimagiológicos, avaliações neuropsicológicas e potenciais evocados auditivos (PEA) do tronco em todos os casos. Obtiveram-se PEA corticais em 10 deles.

Resultados A agnosia auditiva verbal teve início entre os 1,1 e os 8,6 anos (x= 5,6 anos). Onze doentes tiveram crises epilépticas numa idade média de 5 anos. Os EEG de vigília e sono tinham alterações e os PEA do tronco foram normais em todos os casos. Os PEA corticais efectuados em 10 doentes mostraram uma alteração na onda P300 e no potencial do vértex. Cinco doentes fizeram terapêutica com prednisona de 1-3 mg/kg/dia durante 6 a 12 meses, com recuperação quase completa da linguagem em 4 casos. O compromisso da linguagem na último observação foi normal em 2 casos, ligeiro em 5, moderado em 5 e grave em 3. Conclusões. Sugerimos iniciar tratamento precocemente com ácido valproico, benzodiazepinas e etosuximida, em monoterapia ou em combinação. No caso de não se observar melhoria clínico-encefalográfica, iniciar corticoterapia durante um período não inferior a 6 meses. Apreciou-se uma evolução favorável na área da linguagem em 7 casos (46,6%)
Palabras claveTratamento CategoriasEpilepsias y síndromes epilépticos
TEXTO COMPLETO (solo disponible en lengua castellana / Only available in Spanish)